"So I think It’s Time For Us to Have a Toast" – Kanye West (Runaway)


Martin Scorsese volta aos cinemas repetindo a parceria com Leonardo DiCaprio, que pode ser vista em outros filme como Os Infiltrados, O Aviador e Gangues de Nova York. Ilha do Medo é uma adaptação do romance Paciente 67 de David Lehane, mesmo escritor de Sobre Meninos e Lobos. Scorsese mantém a boa forma como diretor consagrado à frente de mais uma grande produção. O filme tem vários atrativos como, por exemplo, um roteiro competente, uma fotografia de encher os olhos e a ótima interpretação de Leonardo DiCaprio. No filme, os detetives Teddy (Leonardo DiCaprio) e Chuck (Mark Ruffalo) investigam o desaparecimento de uma assassina que fugiu de um hospital psiquiátrico na Shutter Island.

Na semana de estreia o filme desbancou Avatar, que liderava as bilheterias nacionais havia 13 semanas consecutivas.

Quando fui ao cinema assistir a Ilha do Medo, percebi que, ao final do filme, alguns espectadores demonstravam decepção, incompreensão. Uma amiga me contou que enquanto assistia ao filme, noutro cinema, notava as pessoas saindo da sala indignadas, inconformadas. Abandonavam a sessão no meio. Seria Ilha do Medo muito ruim ou totalmente incompreensível? Não, nenhuma das respostas anteriores. Provavelmente trata-se de um grande mal entendido. Ilha do Medo não é um filme de terror. Isso mesmo, não é. Se você espera encontrar um filme de horror, com banhos de sangue, criaturas assustadoras e gritos histéricos de vozes femininas, isso você não vai encontrar em Ilha do Medo. A propósito, Shutter Island, o título original poderia ser melhor traduzido para algo equivalente a Ilha do Confinamento. Pois bem, foram aqueles que não conhecem o trabalho de Martin Scorsese que mais se confundiram. Porque o diretor não usou o mesmo título do romance que adaptou em seu longa? Creio que Scorsese preferiu guardar a pista paciente 67 como mais um elemento de seu thriller.

 

Leonardo DiCaprio é o detetive Teddy.

 

 

Retornando ao filme em si, faz-se necessário exaltar cenas magistrais executadas por Scorsese. Me refiro, principalmente às cenas dos sonhos ou pesadelos de Teddy, com espetacular uso da linguagem dos sonhos, as alegorias que são a chave dos significados dos sonhos e  do mistério do filme. Com esse grande mistério sendo revelado, temos a sensação de poder interpretar cada um dos sonhos do personagem de DiCaprio. É quase uma experiência freudiana ou junguiana. Outro destaque é cena da revelação do mistério ao público. Leonardo DiCaprio nos presenteia com uma interpretação arrebatadora, premiando seu desempenho no longa.

 

 

 

Ilha do Medo está em cartaz nos cinemas. Se interessou em assistir? O Cactus Cultural recomenda.

Comentários em: "Ilha do Medo: um excelente thriller" (3)

  1. Anna disse:

    Olá Romulo. Parabéns. Vou enviar o endereço para os professores. Coloque no blog que é um blog produzido pelos alunos do 5 periodo da faculdade de jornalismo do UNIPLI (Centro Universitário Plínio Leite).

  2. […] seu ano. Não só pelo fenômeno Inception, pois não podemos esquecer que ele esteve muito bem em Ilha do Medo, de Martin […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: