"So I think It’s Time For Us to Have a Toast" – Kanye West (Runaway)

Arquivo para junho, 2010

Night Work do Scissor Sisters finalmente chega às lojas

Do pop colorido de Ta-Dah ao dance noturno e introspectivo de Night Work

Por Romulo Rodhrigues

O Scissor Sisters é uma banda pop, que mistura dance e música eletrônica, de Nova York. Temáticas relacionadas ao universo gay são elementos presentes, tanto na música quanto no estilo da banda liderada pelo vocalista Jake Shears, homossexual assumido. O último disco da banda, Ta-Dah, tornou os Scissor Sisters bastante conhecidos em todo o mundo, sendo o hit I Don’t Feel Like Dancing o grande responsável por isso.

De lá pra cá muita coisa mudou. No trabalho para criar o álbum sucessor, os integrantes se sentiram inseguros e chegaram a apresentar o material gravado, e quase finalizado, ao cantor Elton John. A banda queria o parecer do astro pop, e grande inspirador, sobre o trabalho novo. Porém, a recepção não foi boa. Elton John não gostou de nada e, por causa disso, a banda se desfez de todo o material gravado até então e começou do zero. E o resultado é Night Work, disco que tem como produtor Stuart Price, o mesmo que trabalhou em Confessions On A Dance Floor, de Madonna e que chega às lojas hoje. O Cactus Cultural ouviu e, assim como Elton John, dá o seu parecer.

A crítica: um álbum curto, básico, sem brilho e com alguns acertos

Não, nós não mandaríamos refazer Night Work nem jogaríamos o disco no lixo. Entretanto, o álbum deixa muito a desejar. Reconhecemos no disco influências de Elton John, Pet Shop Boys e até Pink Floyd. Soa como um Scissor Sisters com pouca maquiagem, de roupas sérias, num estilo básico e elegante. É como se alguém tivesse dito para a banda: “menos, menos…” E eles aceitaram. Night Work é um disco morno, sem brilho e pouco envolvente. Até fica difícil dizer se Night Work seria um copo meio vazio ou meio cheio (de qualidade). Mas há acertos: Fire With Fire (primeiro single) e Night Work são as melhores faixas do álbum, a primeira segue bem o estilo melódico de Elton John numa pegada mais dance e a segunda tem um ótimo clima de pista de dança oitentista com elementos de guitarra e efeitos eletrônicos. Empolgante. Mas a temperatura do álbum desce e oscila entre fria e morna a partir daí. Os pontos fracos do CD são as faixas Running Out e Night Life, absolutamente previsíveis e frias. Night Work surpreende pouco. Mas posso dizer que Fire With Fire, ao menos, foi um grande acerto da banda.

Ouça abaixo a faixa NightWork:

scissor sisters Night Work by diegoego

Anúncios

Céu levará ‘Vagarosa’ à Europa

A cantora Céu passará todo o mês de julho excursionando pelos Festivais de verão da Europa

Por Romulo Rodhrigues


Talvez a cantora Céu seja a grande sensação da nossa MPB atualmente. Uma cantora excepcional com um disco reverenciado: Vagarosa. Assim como Bebel Gilberto, Cibele e Cansei de Ser Sexy, Céu é mais um produto de exportação made in Brazil. Depois de se apresentar no tradicional festival norte-americano Lolla Palooza, a cantora paulista inicia uma excursão musical pela Europa em julho.

A Alemanha será o país mais visitado pela cantora, que fará ao todo 8 shows em terras germânicas. No dia primeiro de julho, Céu se apresentará no tradicional Roskilde Festival, na Dinamarca. Londres e Paris também estão na agenda de shows da cantora. Confira a agenda completa:

No ano passado, a revista Rolling Stone Brasil colocou o álbum Vagarosa no topo de sua lista dos melhores do ano. A música Cangote ficou em 2º lugar na lista das canções de 2009. Vagarosa é, sem dúvida, um dos grandes álbuns da música brasileira nos últimos tempos e revela uma cantora de personalidade e muito talento.

Assista ao clipe de Grains de Beauté, belíssima música do álbum Vagarosa:

Mais: no blog oficial da cantora, foi lançada uma promoção para que os fãs escolhessem uma música do disco Vagarosa e fizessem um clipe para a canção escolhida. A “Promoção Clipe III” funciona da seguinte forma: o fã escolhe a música, conta a história ou associa essa música a uma imagem. Simples assim. Obviamente, o clipe mais legal será o escolhido e ganha o seguinte: a produção fará parte da edição 2010 do álbum Vagarosa, o vídeo ficará disponível no blog e o vencedor lava uma camiseta feita pela própria Céu. Cada vídeo deve ter imagens próprias e deverá ser colocado no YouTube.

Michael Jackson: Há 1 ano morria o Rei do Pop

Em 25 de junho de 2009, o mundo parou por causa da notícia da morte do maior artista vivo da música pop

Por Romulo Rodhrigues

Todos certamente se lembram exatamente o que faziam no momento em que foram informados sobre a morte de Michael Jackson. Me lembro que era por volta de 7, quase 8 horas da noite quando estava numa aula na faculdade e de repente um colega entra na sala e anuncia a morte de Michael Jackson. Ninguém acreditou na notícia. A medida em que o tempo ia passando percebíamos que era verdade e queríamos saber mais detalhes sobre o ocorrido. Provavelmente muitas pessoas foram surpreendidas na rua, no shopping ou num restaurante, ou seja, tiveram suas rotinas quebradas pela notícia da morte do maior ícone da nossa música até então. Você provavelmente também, se lembra do que estava fazendo naquele dia e naquela hora.

Naquele momento Michael Jackson saía da vida para entrar pra história. Somente a morte consagra os grandes mitos. O dia seguinte foi atípico: rádio e TV dedicados quase que exclusivamente a trazer informações sobre a tragédia da morte do cantor. Nas ruas, nunca ouvi tanto Michael Jackson, era como se a morte dele tivesse trazido vida à sua música. Acusações de pedofilia e excentricidades sucumbiram diante da arte remanescente do artista.

O pior foi que sua morte se deu às vésperas da estreia da turnê definitiva This Is It, que o cantor faria em Londres no mês seguinte. Nela, Michael apresentaria os grandes sucessos de sua carreira, uma carreira que talvez nenhum artista posterior deve conseguir superar. Nem o próprio Michael foi capaz de superar a si mesmo. A fase de Thriller representou o ápice de uma carreira brilhante, o topo. E como não há nada além do topo, para avançar é preciso descer. Foi o que fez Michael Jackson. Pressionado pela imprensa e pela indústria, o cantor travou uma luta contra si mesmo e acabou perdendo. Restou a figura de um dos maiores artistas contemporâneos, o ídolo, o ícone.

A seguir vamos conferir uma videografia selecionada do Rei do Pop:

Para começar, o início de tudo nos Jackson 5. O menino prodígio:

Off The Wall e a afirmação de Michael Jackson:

Thriller, o auge:

Em Bad o sucesso continua, mas com menos brilho:

Dangerous supera Bad graças ao clipe Black or White:

Em HIStory, grandes sucessos, músicas inéditas e o início do declínio:

Invincible, a luta de Michael Jackson contra seu eu invencível:

E junto com sua morte, o ícone da música leva consigo recordes que provavelmente não serão batidos: O disco mais vendido da história, o clipe mais caro já feito, a maior campanha de marketing já realizada para um disco, entre outros. Michael Jackson foi um mito que nem o próprio conseguiu superar e que a história e o tempo cuidarão de eternizar.

A África nas telas do cinema: O Último Rei da Escócia

O Último Rei da Escócia conta a história do ditador Idi Amin, que governou Uganda entre 1971 e 1979

Por Romulo Rodhrigues

“Eu me considero a figura mais poderosa do mundo!”

A frase acima é atribuída ao ditador Idi Amin Dada, personagem central do filme. Dirigido por Kevin Macdonald, O Último Rei da Escócia é baseado no romance de mesmo nome de Giles Foden. O médico escocês interpretado por James McAvoy na película é fictício, apesar da história, que relata a ascensão e queda de Idi Amin no governo de Uganda, ser baseada em fatos reais.

A ótima interpretação de Forest Whitaker lhe deu o Oscar e o Globo de Ouro de melhor ator em 2007.

Sinopse: Nicholas Garrigan (James McAvoy) é um médico escocês recém-formado. Ele parte para Uganda em busca de aventura, romance e alegria, por poder ajudar um país que precisa muito de suas habilidades médicas. Logo após sua chegada Nicholas é levado ao local de um acidente bizarro, onde o líder recém-empossado do país Idi Amin (Forest Whitaker), atropelou uma vaca com seu Maserati. Nicholas consegue dominar a situação, o que impressiona Amin. Obcecado com a cultura e a história da Escócia, Amin se afeiçoa a Nicholas e lhe oferece a oportunidade de ser seu médico particular. Ele aceita a oferta, fazendo com que passe a frequentar o círculo interno de um dos mais terríveis ditadores da África.

Trailer do filme:

Confira fotos, trailers e mais sobre o filme no site do filme que ainda está no ar: LastKingOfScotland

Álbum novo do Radiohead está quase pronto

O sucessor de In Rainbows está em processo de finalização

Por Romulo Rodhrigues

O guitarrista Ed O’Brien disse que o novo disco está na reta final. O próximo álbum do Radiohead está cercado de mistérios, não se sabe qual é nome do disco, nem se a banda segue trabalhando com seu produtor de costume, Nigel Godrich. Nem pode-se dizer ainda como deverá ser o som desse novo álbum. O’Brien apenas declarou que este CD será o “departamento dramático” de In Rainbows, último disco da banda. O guitarrista ainda revelou que o novo álbum será bem diferente do último trabalho da banda.

Será que o Radiohead repetirá a forma de vender In Rainbows com seu próximo álbum? Resta a dúvida, já que em relação a este último álbum da banda, o Radiohead causou uma revolução no universo da música digital, possibilitando que seus fãs pagassem o que bem desejassem por uma ou duas músicas, ou mesmo pelo álbum inteiro.

Vídeo da música 15 Step, do álbum In Rainbows

Recentemente, o vocalista do Radiohead, Thom Yorke disse que as grandes gravadoras estão afundando e que é apenas uma questão de tempo, talvez alguns meses. “Quando a grande indústria morrer, não será uma grande perda para o mundo”, disse Yorke a um grupo de jovens artistas.

Ed O’Brien manifestou seu desejo de que gostaria que o novo álbum estivesse ao alcance dos fãs até o fim deste ano, mas disse que o processo é longo e que infelizmente não sabe se isso será possível.

Documentário vencedor do Oscar 2010 estreia em julho no Japão

Por Romulo Rodhrigues

O polêmico documentário que denuncia a matança de golfinhos no Japão (com tradução para o Brasil de A Enseada) deve estrear no país em julho. O filme do norte-americano Louie Psihoyos chega aos cinemas japoneses no dia 3/7. A polêmica em torno do filme já é grande: alguns grupos japoneses conseguiram impedir a estreia anterior, marcada para 26 de junho, alegando que o filme é antijaponês. Esses grupos se defendem dizendo que a caça de golfinhos, assim como a de baleias, é uma tradição centenária no Japão.

Para refletir

É bem verdade que trata-se de uma tradição centenária, assim como os rodeios americanos, as touradas espanholas e o massacre de focas no Canadá. O que não significa que todos tenhamos que concordar com esse tipo de prática, mesmo que tentem camuflar sua barbárie sob o manto da cultura e da tradição.

No filme, são mostradas cenas do massacre exercido por caçadores japoneses contra golfinhos numa cidade do litoral japonês. Outra denúncia é a captura de golfinhos, orcas e cetáceos vivos na região, com o objetivo de levá-los para parques aquáticos e aquários. Muitas cenas foram filmadas com câmeras escondidas.

Infelizmente o filme não tem previsão de estreia no Brasil (se um dia chegar aos cinemas nacionais), o que é uma pena. Recentemente, no dia 27/5, os gaúchos puderam conferir uma pré-estreia do documentário com entrada franca.

Você pode participar das campanhas levantadas pelo filme contra a matança dos golfinhos, seguem os links:

Petição on-line: Facebook

Mais informações: takepart.com/thecove

As 50 Músicas + Inesquecíveis de Todos os Tempos!

Por Romulo Rodhrigues

Hoje é Dia Mundial da Música! Para comemorar essa data tão especial, o Cactus Cultural pretensiosamente apresenta a lista das 50 músicas mais inesquecíveis de todas (!). Músicas que marcaram gerações, superaram o tempo e, de certa forma, se tornaram inesquecíveis. Nossa lista prioriza o ecletismo, a variedade e, principalmente, a influência de cada uma delas ao longo dos anos. Nessa lista temos músicas recentes, como Hard To Explain da banda The Strokes e clássicos do passado com As Rosas Não Falam, de Cartola. Vamos a ela:

Você pode clicar em cada um das imagens para ouvir as músicas do nosso Top10

Esse clássico do Queen alcançou o topo da nossa lista por ser uma música incrivelmente criativa e original. A mistura do Pop + Rock + Ópera resulta numa deliciosa e empolgante canção. Bohemian Rhapsody consegue extrair o melhor do Queen, explora os talentos de cada integrante e representa a exaltação de um dos maiores, senão o maior, rockstar de todos: Freddie Mercury.

Qual música da maior banda de todos os tempos escolher? Na verdade, a escolha por Let It Be é mera escolha, já que 70% (no mínimo) das músicas dos Beatles pode ser encaixada em qualquer lista de melhores. Let It Be está no álbum de mesmo nome da banda de Liverpool, último da deles lançado em 1970.

O marco do Movimento Tropicalista, música cheia de referências, uma elaborada estrutura de linguagem na letra. Caetano Veloso criou um hino pop, inovou incorporando guitarras e se inspirando nos Beatles e o resultado é uma das músicas mais emblemáticas da história da MPB.

A maior música dos Stones (não necessariamente a melhor): simples, direta, curta e imortal.

Uma das grandes obras do Radiohead. Karma Police tem o melhor da banda liderada por Thom Yorke: profundidade, dramaticidade, bela melodia, noise e originalidade, características das grandes canções do Radiohead.

Essa é a grande música de Michael Jackson! Musicalmente é muito bem trabalhada e construída, com batidas pop marcantes e a grande voz do Rei do Pop muito bem aproveitada, sem excessos.

Um sinônimo para Yesterday: beleza. Talvez não haja um outro sinônimo melhor para essa canção capaz de emocionar e encantar qualquer pessoa. Credito essa música principalmente a Mccartney, do que propriamente aos Beatles, porque essa é uma canção cuja autoria pode ser creditada quase que 100% à Paul, que “recebeu” a melodia num sonho e canta e toca sozinho a canção no álbum Help! dos Beatles.

Recentemente, a Rolling Stone Brasil colocou Contrução no topo de sua lista das 100 melhores músicas brasileiras de todos os tempos. Essa música é realmente genial, uma letra que é uma obra prima da música, com todos os seus versos terminando em proparoxítonas.

O camaleão David Bowie e sua grande criação: Ziggy Stardust. Não a música, mas o maior personagem da história do rock. Ziggy Stardust, agora sim a música, pertence a uma das obras primas do rock, o álbum Ziggy Stardust and the Spiders From Mars, no qual Bowie revoluciona a estética e nos oferece uma grande canção para marcar essa fase de sua carreira.

Esse é o grande hino do punk rock, talvez nenhuma outra música traduza com tanta perfeição o espírito do punk. Que bom seria se todas as bandas fabricadas fossem com foram os Sex Pistols.

Veja a lista completa, assista aos vídeos e ouça as músicas abaixo:

(mais…)

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: