"So I think It’s Time For Us to Have a Toast" – Kanye West (Runaway)

David Fincher é o grande destaque do filme pelo seu trabalho de direção

Este slideshow necessita de JavaScript.

Com diálogos rápidos, inteligentes e contundentes, conflitos cheios de tensão, belas tomadas e um trio de atores afinado e carismático, Fincher leva às telas  o seu clássico moderno. A Rede Social não é um filme espetacular, mas tem um valor representativo e simbólico muito significativo, o que explica o fato de, em algumas críticas, ter sido considerado o “filme da década”. Mas qual é esse valor representativo? Primeiro, trata-se de um clássico moderno, isto é, um filme com temas básicos, como dinheiro, amizade e poder, adaptado ao contexto contemporâneo. Mark Zuckerberg, interpretado no filme por Jesse Eisenberg, é um nerd ambicioso e excêntrico. Para se vingar de um pé na bunda da namorada, Mark começa a relatar sua raiva em seu blog e em questão de horas, motivado por vingança e álcool, cria um site, depois de hackear o banco de dados da Universidade de Harvard. Ao entrar no site, o estudante se deparava com fotos de duas meninas e tinha que dizer qual era a mais “gostosa”. O Facemash tornou-se um  viral em poucas horas entre os estudantes da universidade e depois disso, nasceu o Facebook, uma ideia supostamente criada pelos gêmeos Winklevoss e por Divya Narendra e “roubada” por Zuckerberg.

Abaixo, o melhor trailer de 2010:

Todos os conflitos desencadeados pela personalidade controversa do protagonista estão perfeitamente retratados no filme, sem maniqueísmo. Os processos judiciais, a perda de uma grande amizade, a busca pelo poder e dinheiro. Por que é um clássico moderno? Porque A Rede Social é quase um documento histórico sobre a realidade da grande maioria dos jovens de hoje em dia, o universo das redes sociais. Lembro-me que o filme Fahrenheit 9/11, de Michael Moore, foi considerado pelo jornal britânico The Telegraph como o filme da década, pois, além de sua qualidade, ele tem um valor simbólico e representa um pedaço da história perfeitamente, ou ao menos um grande momento histórico dela: George Bush, terrorismo e guerra. The Social Network representa exatamente uma geração de jovens e também as redes sociais, com suas influências nas relações humanas.

Mais ainda: o personagem principal, Mark Zuckerberg, baseado no homem real, é extremamente rico, contraditório, imaturo, inteligente. David Fincher e Jesse Eisenberg produzem um dos melhores perfis do cinema e expõem um ser humano ambíguo e demasiado humano, por vezes o homem que quer dominar o mundo (a qualquer custo), ou simplesmente um menino imaturo. Aliás, o primeiro diálogo do filme é o mais revelador de todos e o que acontece em seguida só confirma a cena de abertura.

Veja o segundo trailer do filme, com a música Power, de Kanye West como trilha:

A Rede Social é o retrato de uma geração, um filme obrigatório para a geração daqueles que hoje têm entre 18 e 30 anos.

Comentários em: "A Rede Social – O Perfil Cinematográfico de um dos Homens mais Poderosos do Mundo" (1)

  1. Lara disse:

    Adorei a crítica… Tô louca pra ver o filme!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: