"So I think It’s Time For Us to Have a Toast" – Kanye West (Runaway)

Arquivo para abril, 2011

Artista cria ilustrações cool para resumir as histórias dos livros/filmes da série Harry Potter!

O resultado ficou tão legal que talvez nem seja preciso ler o livro ou ver o filme

A designer Lucy Knisley está divulgando sua série de trabalhos especiais de ilustração sobre os filmes da série Harry Potter. Com uma boa dose de humor, Lucy reconta cada história de uma forma bem interessante através das ilustrações. Confira as ilustrações:

Clique nas imagens para vê-las em tamanho grande.

A Pedra Filosofal

A Câmara Secreta

O Prisioneiro de Azkaban

O Cálice de Fogo

A Ordem da Fênix

Mais ilustrações estão sendo preparadas pela artista. Assim que as novas, referentes aos outros livros forem divulgadas, postaremos aqui.

Modo Shuffle: bandas se reúnem em tributo à obra-prima de Björk

O álbum ‘Post’ ganhou um tributo organizado pelo site Stereogum

Nomes da cena indie foram reunidos pelo famoso blog Stereogum para prestar uma homenagem a um dos discos mais históricos da música, o emblemático Post, da Björk. Lançado em 1995, o álbum traz músicas que chegaram a levar o nome de Björk a passear pelo mainstream. It’s Oh So Quiet (da trilha de Dançando No Escuro, de Lars Von Trier), Army Of MeHyper-Ballad e I Miss You são alguns dos sucessos que fizeram do álbum um importante registro da música. Sempre trazendo uma explosão de experimentações, a islandesa chegou a alcançar sucesso nas vendas, feito que não viria a se repetir, mesmo com toda a qualidade de seu trabalho.

Enjoyed: A Tribute To Björk’s Post traz nomes como Dirty Projectors, Bell e No Age reinventando (de fato) grandes obras do disco. Acreditem, é uma excelente homenagem.

Ouça duas faixas do disco:

Dirty Projectors – Hyperballad

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Bell – It’s Oh So Quiet

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Faça o download gratuito do álbum clicando AQUI!

[Fonte: Stereogum]

Lista: Os melhores videoclipes de todos os tempos!

A Rolling Stone pediu e os leitores escolheram. Confira abaixo o resultado divulgado pela revista americana


Curiosidade: não tem nenhuma mulher na lista! Esqueceram de Madonna, Cyndi, Gaga, Aguilera, Beyoncé, Björk, Britney, Grace Jones… Ok. Vamos falar sobre o resultado. A revista fez a clássica pergunta a seus leitores: “Qual é o melhor videoclipe de todos os tempos?” e os leitores responderam. Tem os polêmicos e fortes Closer e Jeremy, o apocalíptico Black Hole Sun, os pioneiros e modernos (para a época) Take On Me e Sledgehammer, o clássico e cinematográfico November Rain e os criativos Learn To Fly e Weapon Of Choice. Tem também o histórico e original Smells Like Teen Spirit e… Bem, você sabe, Thriller do Michael Jackson, que dispensa qualquer comentário, a não ser pelo fato de que artistas como Kanye West, Lady Gaga e Green Day, por exemplo, se inspiram no Rei do Pop em seus próprios clipes.

10. Pearl Jam – Jeremy

9. Nine Inch Nails – Closer

8. Soundgarden – Black Hole Sun

7. Foo Fighters – Learn To Fly

6. Fatboy Slim – Weapon Of Choice

5. Guns N’ Roses – November Rain

4. A-ha – Take On Me

3. Nirvana – Smells Like Teen Spirit

2. Peter Gabriel – Sledgehammer

1. Michael Jackson – Thriller

Lady Gaga: “Eu não sou plagiadora, sou inteligente pra c@*@$#%”

Alguns trechos da entrevista dada por Lady Gaga à revista NME estão sendo divulgados na internet


Veja a seguir alguns trechos da entrevista. Primeiro ela reage às críticas e acusações de plágio pela música Born This Way (Express Yourself e essa coisa toda):

“Não. Escuta. Que porra é essa…? Eu sou uma compositora. Já escrevi inúmeras músicas. Por que eu lançaria uma música e acharia que estou me dando bem em cima de todo mundo? Isso é absurdo. Que pergunta mais ridícula para se fazer. Eu vou olhar dentro dos seus olhos e dizer que eu não sou burra ou imbecil o suficiente para ver que eu teria roubado uma melodia. Se você colocar as músicas uma ao lado da outra, as únicas semelhanças estão na progressão de acordes. É a mesma que tem estado na disco music desde os últimos 50 anos. Só porque eu sou a única artista a colocar isso no Top 40 (parada de rádio da Billboard) em 25 anos, não significa que eu seja uma plagiadora, significa que eu sou inteligente pra caralho. Sinto muito.”

O entrevistador diz: “Parece que as críticas esfriaram um pouco as vendas das músicas…”

Há muita gente que quer me ver fracassar. Assim que eles veem algo para atirar, eles atiram e quanto maior eu me tornar, eu me transformo num alvo ainda maior. Ninguém nessa sala, em nenhum momento, olhou em volta e disse ‘Meu Deus! É ‘Express Yourself’!’ Nenhuma vez. Escuta. Eu juro pra você. Eu só posso ser sincera com você sobre isso.

O que as pessoas vão achar de Judas?

Não sei… Acho que vão amar. Eu só não quero que meus fãs… Eu não sei. É cansativo. Eu só não quero perpetuar essa merda. Eu sei que você quer abordar isso, mas é tão ridículo. Eu tava chocada pra caralho com isso. E tão engraçado ouvir você dizer ‘Deve ter sido uma homenagem’. Tipo, NÃO! Quando eu fizer uma homenagem, eu vou fazer com um grande sinal dizendo que eu fiz. Por que eu faria isso agora? Preciso de um drink agora. Eu só… Eu só tenho que dizer… (começa a chorar) Eu senti que sinceramente foi Deus que me enviou aquela letra e aquela melodia. Quando você sente que tem uma mensagem para dar ao mundo e as pessoas estão atirando flechas através disso… Não há como algo tão puro estar errado. (Pega um isqueiro da Marilyn Monroe) Eu preciso de um cigarro.

Você pode conferir esse trecho dessa entrevista aqui: http://i.imgur.com/ifARY.jpg

Mais sobre Judas: a diretora criativa de Lady Gaga, Laurieann Gibson defende a música da crítica dos religiosos:

“Não tocamos em coisas que não temos o direito de tocar, mas a inspiração, a alma e a ideia estão em estar longe da sua opressão, da sua obscuridade, do seu Judas, você pode entrar na  maravilhosa luz. Então é sobre a inspiração e nunca desistir. Criamos uma nova Jerusalém (sobre o clipe de Judas).

[Fonte: Superficial]

Crítica: Foo Fighters – Wasting Light | Química perfeita entre pop e rock!

No novo álbum, Dave Grohl e companhia lançam a obra mais consistente de seus últimos anos de carreira


A partir do álbum In Your Honor, lançado 2005, o Foo Fighters não alcançava a performance de One By One e dos álbuns da década de 90. Tanto que em setembro de 2008, a banda anunciou uma pausa. Mas esta pausa não durou muito e no início de 2009, a banda já anuciou planos para um novo trabalho.

Justamente na volta de Pat Smear (2ª guitarra), a banda alcança novamente a sua melhor forma. O último trabalho de Smear com o Foo Fighters foi The Colour and the Shape. O guitarrista também participou de Skin And Bones, o álbum ao vivo da banda, já no retorno ao FF.

O resultado sai agora, em 2011, e a longa espera valeu a pena. Wasting Light é um ótimo disco, rock’n’roll ao melhor estilo Foo Fighters, um álbum cheio de hits em potencial. E um dos mais pop da banda também, trazendo refrões bem contruídos e ao bom e velho estilo sing-along, dos maiores hits do Foo Fighters. Recolhendo as cinzas, a abertura com Bridge Burning já é de tirar o fôlego, ainda mais sendo a melhor música do disco, dosando perfeitamente peso e cadência, um refrão envolvente e uma performance instrumental de altíssimo nível. Na sequência, Rope e mais uma incrível performance da banda, um refrão poderoso e arrebatador.

Dear Rosemary, a balada fofa do disco também não decepciona. Para levantar de novo, White Limo chega com a performance gutural de Dave Grohl e o ritmo acelerado da bateria de Taylor Hawkins. E quanto mais ouvimos o disco, temos a percepção de que qualquer música poderia virar single. Wasting Light é um raro disco em que todas as músicas funcionam. Dá pra destacar highlights, mas o disco todo é uma das mais bem feitas obras pop dentro do rock’n’roll dos últimos anos. Algo que só o Foo Fighters poderia mesmo lançar e levar o rock de volta às paradas de sucesso.

As paradas britânicas e americanas aguardam um bom desempenho de Wasting Light nas vendas. O disco foi oficialmente lançado em 12 de abril.

UPDATE: Foo Fighters destrona Adele nas paradas britânicas.

Voltando à audição: não podemos encerrar sem destacar o segundo ponto alto (entre vários) de Wasting Light: I Should Have Known. A música mais completa e redonda do álbum. Não digo a melhor, já que Bridge Burning é um soco no estômago arrebatador. Mas em termos de beleza, a penúltima faixa do álbum é imbatível, além de trazer toda a intensidade da banda.

Wasting Light é para fãs de rock’n’roll. Wasting Light é para trazer novos fãs ao rock’n’roll.

Site começa a levantar dinheiro para mandar diretor de “O Último Mestre do Ar” de volta à escola de cinema!

O diretor do aclamado O Sexto Sentido também é o diretor do criticado O Último Mestre do Ar

Muitos se perguntam, o que aconteceu com M. Night Shyamalan? Porque ele não consegue repetir o desempenho de O Sexto Sentido, que o levou a concorrer ao Oscar? Pior: a cada filme, uma performance pior que a outra. Desde o filme Sinais, o diretor não para de cair, como você pode ver no gráfico de críticas abaixo. Clique para ampliar.

O gráfico abaixo é baseado em críticas do Rotten Tomatoes:

Críticas positivas

Críticas negativas

Por isso e também por ter decepcionado fãs da série animada Avatar em todo o mundo, um site de Crowdfunding foi criado para mandar Shyamalan de volta à escola e reaprender tudo o que esqueceu. Se você quiser fazer essa boa ação, clique na imagem abaixo e conheça o projeto:

[Fonte: Pop Culture Brain]

13 Pôsteres alternativos para “A Origem”!

Um dos melhores filmes de 2010 é um dos filmes mais inspiradores também. Vários pôsteres fan made foram feitos e você pode dar uma olhada em cada um deles aqui nesse post. Além de ter assistido ao filme, é preciso ter um certo conhecimento sobre o filme para poder entendê-los.

Para ver a lista completa, clique nas imagens abaixo:

[De: shortlist.com]

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: